terça-feira, 25 de novembro de 2008

VLCD! do lugar onde estou já me fui embora, Teatro Meridional

Fotos: Lus Vasco
in http://www.visitlisboa.com/evento_detalhe.asp?id=3256

Neste sábado fui ver a nova peça do Meridional "VLCD! do lugar onde estou já me fui embora".
Gostei muito. Mais uma vez, muito bom. Regressarei seguramente ao Meridional.
Fiquei espantada por ter gostado tanto de um teatro sem texto, de uma peça em estilo clown.
Os actores são muito bons. A minha actriz preferida e a grande descoberta e fascínio daquela noite foi a interpretação da Carla Maciel. Ela é maravilhosa. É incrível. Muito expressiva, muito enérgica, muito transparente. Fazia-nos sentir tudo o que sentia e o que pensava mesmo sem falar português.
Fiquei também fascinada com a sonoplastia e música de Fernando Mota. Já o tinha visto na peça anterior sobre Cabo Verde, mas agora rendi-me.
Achei muita piada à criatividade e ginástica mental na concepção da cenografia da peça, às situações criadas cenograficamente com humor e surpresa fruto de uma imaginação extraordinária, original e bem concebida na utilização variada de simples malas de viagem. Gostei da criação artística do movimento e do ritmo das malas e dos actores. A peça é uma roda viva.
Não há tempo para nada. Não há tempo! Só velocidade. E reconheci o nosso mundo ali.... e muitas vezes, reconheci-me ali.
Praticamente não falaram a nossa língua mas percebeu-se tudo o que nos queriam dizer e tudo o que diziam uns aos outros. E muitas vezes, foi hilariante. Está muito bem feito.
Às vezes sentia que estava a ver um filme ao vivo em sueco. Ali o tempo também voa e não se consegue tirar os olhos do palco.
A luz de Miguel Seabra, que desta vez também interpreta, estava bem apesar de demasiado simples. Dava calor ao centro do palco e a luz necessária para o foco da atenção a cada momento.
A encenação de Nuno Custódio está de parabéns.
Recomendo vivamente esta peça.
Vai estar no Meridional até 21 de Dezembro.
Falar em tempo, hoje, significa acima de tudo compreendê-lo em velocidade, impõe-se uma nova ordem do mundo. Independentemente da qualidade, do valor intrínseco, da beleza, do afecto, o melhor é o que chega primeiro. Claro que a rapidez com que se vive implica também que as vivamos mais superficialmente, sem aprofundamento algum, sem vivência interior, sem a essência imaterial dos objectos que suscitaram algures o nosso interesse. No mundo em que vivemos as cidades acertam horas entre si, existem horários de verão e horários de inverno e o tempo mede-se por relógios, por telemóveis, por agendas. A capacidade de um transporte vê-se pela sua capacidade de nos fazer usar menos tempo. Tempo e velocidade. Mesmo que não haja tempo para abrir um livro no comboio mais rápido do mundo. Já chegámos? Onde queremos chegar afinal? Andamos sempre a correr. Anda-se tão apressado que tudo e todos os que possam atrasar essa marcha se transformam no inimigo. E, assim mesmo, nesse pressuposto, se fez toda uma Revolução Industrial, onde o ser humano se tornou ele próprio um bem que tem de circular para que esta grande engrenagem nem sequer sofra a fricção de um pensamento. Comer depressa, dormir depressa, amar depressa... transformou as pessoas em casas com janelas abertas para a rua mas sem alguém a espreitar por elas. [...] Há que ser feliz, aqui e agora, não numa vida depois da morte. Há que ser feliz, agora que por volta dos quarenta anos existe todo um tempo de vida que, do ponto de vista da reprodução da espécie, se tornou redundante.
in programa da peça, escrito por Nuno Pinto Custódio

VLCD! TEATRO MERIDIONAL
12 de NOVEMBRO a 21 de DEZEMBRO 08
Quarta a Sábado às 22h00 Domingo às 17h00
Rua do Açúcar 64 - Beco da Mitra
Poço do Bispo 1950-009 Lisboa
Tlf. 218689245 / 918046631
bilhete : €10

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

Fernando Pessoa já tem Congresso Internacional, 25 a 28 Nov



«Não pretendemos concorrer com os congressos académicos, que normalmente são chamados 'de estudos pessoanos', mas dar a conhecer Pessoa, que foi uma espécie de Leonardo da Vinci do século XX, um homem que teve um lado empreendedor, que inventou coisas, que fez slogans publicitários e que era astrólogo também - um lado que não podemos escamotear», defendeu a organizadora do encontro... [...]»

Data: 25 a 28 de Novembro de 2008
Local: ATL-Associação de Turismo de Lisboa, Rua do Arsenal, nº15
Inscrições: Casa Fernando Pessoa, até ontem (limitadas a 130)

quinta-feira, 20 de novembro de 2008

Peste e Sida - Sol da Caparica

Parabéns, Júlia e Rául... já passaram 4 anos e eu nem dei conta.



Se há quatro anos me perguntassem se queria ter gatos, hesitaria ou diria que não.
Foi uma das coisas que a minha mãe me quis ensinar...
Hoje não imagino a minha vida sem eles.
Fazem parte de mim e da minha casa.
Na altura mais aguda da crise financeira, há um mês, cheguei mesmo a sonhar que, por não ter dinheiro para comprar a ração ou por não haver distribuição de comida nas lojas de animais, a Júlia, devido à desidratação e fome, estava a ser operada e não hesitei em dar o meu sangue para a salvar.
Os meus pais teimam em não perceber e em não aceitar isto. É frequente comentarem e expressarem o seu desejo sincero no seu súbito desaparecimento ou num casual acidente felino fatal. É muito triste. Não imaginam o quanto isso me entristece.
Estou infinitamente grata às madrinhas Jolie e Rita pela paciência na descoberta da Júlia e pelo incentivo em vencer o medo de ter um gato em casa sem manual de instruções.
O Rául foi a cereja em cima do bolo, para mim e para a Júlia. Já não imaginamos o nosso dia-a-dia sem ele.
Mas só neste sábado dei conta que eles já têm 4 anos... conheci duas gatinhas de 6 meses... só aí dei conta que a Júlia já não tinha aquela idade há muito tempo...

sexta-feira, 14 de novembro de 2008

Olha quem dança!

http://ww1.rtp.pt/icmblogs/rtp/olha-quem-danca/?tag=667&t=Galas-Semanais.rtp

É a minha professora maravilhosa das aulas de salsa, a Vanda.


Ela é concorrente com o seu pai no programa do "Olha quem dança" da RTP1 que passa às sextas à noite.
Já escrevi aqui sobre ela e mostrei videos até. É fabulosa... não me canso de a ver dançar.
Ela está tão bem.... estou/sou tão vaidosa que não resisto em não vos mostrar.
Ora espreitem naquele link, e procurem a 2ª parte da gala semanal do dia 31/10.
Começa no minuto 39. ;)
Tenho ou não tenho razão?
Há mais sete videos porque ela está lá desde o princípio do programa.
A ver se fica até ao fim.

segunda-feira, 10 de novembro de 2008

Buraka na Voz do Operário, sábado, 15 de Nov.



É impossível ser indiferente aos Buraka Som Sistema. Não consigo parar de dançar quando os ouço.

A não perder - Voz do Operário, 15 Nov, 21h30.

Bilhetes: € 15

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

Gosto muito do Nuno Viegas.



"O Precipitado", 2006

"A tinta envenenada", 2004

"A Ascensão do Homem Comum", 2007, 220 x 180 cm


"O grande cacto", 2007, 220 x 180 cm


"A adoração do Homem-Tinta", 2006